Blog Sacratour

4003-6134 ou pelo whats app! [email protected]

Generic selectors
Apenas correspondências exatas
Pesquisar por Título
Pesquisar por Conteúdo
Pesquisar nas postagens
Pesquisar nas paginas
Menu
SacraTour

Turismo Religioso

Santa Bernadette, a vidente de Lourdes

De Dentro Geral, Santuários Marianos, Vida dos Santos Em 17/07/2020


Você vai se lembrar dessas palavras de Jesus narradas pelo evangelista São Mateus: “Eu te bendigo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequenos” (Mt 11,25).

Foi exatamente o que aconteceu em Lourdes. A jovem vidente Bernadette Soubirous era a primogênita de uma família de três filhos. Seus pais empreenderam com um pequeno moinho de trigo, mas vendiam tanto “fiado”, que acabaram indo à falência. A piedade do governo permitiu que eles recebessem um canto para morar: a prisão! A família passou a morar em um cubículo. Bernadette, que sempre teve a saúde fragilizada, sofria constantemente de asma. A situação toda da família impediu que ela estudasse. Não sabia francês, apenas o dialeto local, e e não chegou a aprender todo o Catecismo.

Essa menina simples, que em 1858 tinha apenas 14 anos, foi a escolhida para receber a visita de Nossa Senhora em Lourdes.

Se você quiser saber todas as suas visões de Nossa Senhora em Lourdes, acesse aqui.

Tão logo as aparições começaram, a notícia já se espalhou por toda região e foi cada vez maior o número de pessoas indo atrás de Santa Bernadette. E conforme os milagres iam acontecendo, você já pode imaginar como ficou a vida dela, não é?

1 – A mudança para Nevers

Depois das aparições vivenciadas em Lourdes e do forte assédio sofrido por pessoas que tentavam obter partes de suas vestes ou cabelo como forma de relíquia, Bernadette vai para Nevers como uma tentativa de se esconder e ter um pouco de paz. Após três dias de viagem de Lourdes até Nevers, Bernadette chega em 1866 ao local que seria sua nova morada. É em Nevers que ela aprende sobre o noviciado com as Irmãs da Caridade e ganha uma profissão, torna-se enfermeira. Mesmo asmática, com tuberculose e câncer no joelho, Bernadette não media esforços na ajuda ao próximo, pois trabalhava mesmo quando doente.

Na época de Bernadette, no convento das Irmãs de caridade, viviam mais de 150 pessoas, entre noviças, religiosas e ajudantes de serviço. O espaço, que hoje abriga um imenso jardim que nos convida a uma caminhada reflexiva, na época era uma grande horta que servia como fonte de alimentação para os moradores.

Ainda no jardim encontramos uma pequena capela onde anteriormente fora enterrado o corpo de Bernadette, a capela de São José, santo de sua grande devoção.

Outro lugar muito especial ali é um pequeno espaço com a imagem de Nossa Senhora das Águas. Bernadette gostava muito desse lugar, era como um refúgio quando sentia saudades de sua família ou quando queria fazer uma oração mais íntima era para lá que ela ia. Ela dizia que Nossa Senhora das Águas era uma imagem que lhe agradava muito, pois lembrava a Nossa Senhora vista nas aparições; com os braços estendidos e um semblante calmo e sorridente. Embora Bernadette tenha feito a descrição da imagem da aparição de Nossa Senhora para artesões da época, ela dizia que jamais alguém conseguiria traduzir a beleza e a magnitude da imagem que ela viu.

No Convento, Bernadette falou uma vez sobre as aparições de Nossa Senhora. Contou no dia em foi ordenada para um público de 300 religiosos em extremo silêncio dentro da sala de conferência detalhes das visões que teve. Depois desta narração, ela ganha o hábito das Irmãs da Caridade e não volta mais a falar sobre o assunto. O uniforme a torna igual a todas e esse relato representa simbolicamente o fim de sua celebridade, falando pela última vez das aparições, agora ela seria uma irmã como as outras e, neste momento, Bernadette passa a ser chamada de Irmã Maria Bernarda.

2 – Os Milagres de Lourdes

Depois das aparições, Bernardete ficou em casa com a família, mas era muito assediada pelas pessoas e por congregações que a queriam. Muito humilde e simples, sem dote, acabou ficando em casa. Todavia, cansada dos incômodos, resolveu aceitar e entrar em uma congregação. Pediu para entrar em Nevers. Tendo sido aceita, entrou para o convento em 07 de julho de 1866.

De uma infinidade de acontecimentos marcantes, vamos relembrar aqui, apenas alguns que possuem características absolutamente sobrenaturais.

Antes de entrar ao convento, ainda em Lourdes, a Superiora do hospital do local, Madre Alexandrina Roques, sofreu, após uma queda, uma torção que a condena a longo repouso, num período difícil, de muito trabalho, quando era muito solicitada por suas ocupações. Manda chamar Bernadete e lhe diz: “Não posso ficar de cama estas cinco semanas, sobretudo neste momento em que aqui há tanto o que fazer. É preciso que a Santa Virgem me cure e ponha de pé. Vai lhe dizer isto na Capela”. E ela foi. No dia seguinte, a Superiora estava de pé, sem nenhuma torção, para espanto do médico que, contudo, já devia ter visto coisas idênticas e outras até mais extraordinárias, em Massabieille.

Também depois de se mudar a Nevers teve várias oportunidades para ajudar o próximo. Certa vez uma mãe cujo filho morria, vai até o Convento e leva a coberta do berço da criança, com pretexto de que o bordado não estava terminado. Conversa com a Madre Superiora e lhe suplica que dê a Irmã Maria Bernarda para acabá-lo. A Madre concordou e levou a coberta onde ela se encontrava com as outras irmãs, e disse: “Está aqui uma coberta cujo bordado está errado; a dama que o trouxe pergunta se alguma de vocês poderia consertá-lo?”. Ao que Bernadette respondeu: “Isto é fácil! Essas belas damas da sociedade enganam-se no seu trabalho e somos nós que o temos de arranjar. Enfim, apesar de tudo, dê-o cá; vou tentar consertar isso”. E a mãe do pequenino doente, já desenganado pelos médicos, passou a coberta sobre o berço, e seu filho ficou logo milagrosamente curado.

Aconteceu, em outra oportunidade, que uma mãe com sua filha portando uma incurável enfermidade que a impedia de andar, decidiu levá-la ao Convento, porque a medicina nada mais podia fazer por ela. Entendeu-se com a Superiora, que logo depois chamou Bernadette: “Irmã Maria Bernarda, quer tomar nos braços esta criança, enquanto eu falo com esta senhora? Sobretudo, não a ponha no chão”. Ela afastou-se com a criança para debaixo dos castanheiros; quando a Superiora veio procurá-la, encontrou-a chorando, com receios de ser censurada. A criança debatera-se de tal modo nos seus braços, que se viu obrigada apesar da proibição, colocá-la no chão, por onde andava e corria com toda alegria, em volta dela. A mãe ficou emocionada e chorou de satisfação, enquanto a Superiora apressadamente mandou Bernadete dar um recado na outra extremidade do Convento, para preservar a sua humildade. A criança estava totalmente curada, sorria descontraída e satisfeita brincava ao redor de sua mãe.

Assim, Nosso Senhor aliviava os sofrimentos das pessoas que tinham fé pela intercessão de Nossa Senhora, concedendo as graças ao suplicante por meio das mãos inocentes de Bernadette. O sagrado era tão natural à sua vida que Santa Bernadette não se espantava com os acontecimentos. Depois de sua morte, os milagres multiplicaram-se em torno de seu túmulo, com uma frequência notável.

3 – A morte de Bernadete

A Irmã Maria Bernarda passou por alguns quartos da enfermaria em enquanto esteve doente, mas em seus últimos dias, quando já estava muito enferma, foi colocada na enfermaria que ela chamaria de Capela branca. Prestes a morrer e sentindo muita dor, ela diz que suas dores são tão fortes que ela se sentia como um grão de trigo sendo esmagado no moinho.

No dia 28 de março de 1879, pela quarta vez recebeu a Extrema Unção. Protestou: “Curei-me todas as vezes que a recebi”. Depois do Santo Viático ministrado pelo Padre Febvre, disse: “Minha querida Madre, peço-lhe perdão por todos os sofrimentos que lhe causei, com minhas infidelidades na vida religiosa e peço também perdão às minhas companheiras dos maus exemplos que lhes dei… sobretudo com o meu orgulho!”.

Durante a Semana Santa, celebrada do dia 6 ao dia 13 de abril, os escarros agravaram-se e ela pede um “alívio”: “Se pudesse encontrar na sua farmácia qualquer coisa para aliviar os meus rins, estou toda esfolada”. E de outra vez manifestou-se assim: “Procure então nas suas drogas… qualquer coisa para me fortificar. Não tenho forças nem para respirar. Mande-me vinagre bem forte para cheirar”. Depois mandou tirar todas as imagens e estampas de Santos que ornavam o seu quarto. E mostrando o Crucifixo, disse: “Somente Jesus!”. Ele lhe bastava!

Quando as outras Irmãs, companheiras de Bernadette, vão ao seu encontro para rezar e se despedirem, uma delas pede para que no céu ela não se esqueça dela, e Bernadette diz “No céu não me esquecerei de ninguém”, ou seja, todos aqueles que rezarem por Santa Bernadette não serão esquecidos.

Por fim, às 15 horas do dia 16 de abril de 1879, ainda jovem com 35 anos de idade, morreu Bernadette depois de um intenso e penoso sofrimento que lhe impuseram seus diversos males. Fez um grande sinal da Cruz, pegou no copo contendo a bebida fortificante que lhe apresentaram, toma por duas vezes algumas gotas e inclinando a cabeça, entrega docemente a sua alma.

Tão pura e com tanto amor a Deus e à Virgem Maria, que tinha receios, mesmo involuntariamente, de os ofender. Isto transformou-se para ela num grande drama moral, que a atordoou bastante, nos últimos dias de vida.

Viveu como manda o Evangelho e ofereceu exemplos de vida para todas ocasiões e para o mundo viver o conteúdo da mensagem divina, que ela recebeu na gruta de Massabieille: “Pobreza, Oração e Penitência”. O seu encanto transparece mais visível e brilhante, nos milagres que ocorreram por sua intercessão e que fizerem com que ela fosse proclamada Santa, antes mesmo de ser canonizada.

Os muros de sua capela funerária, estão hoje repletos de “ex-votos”, emblemas vivos de sua eficaz mediação junto à Mãe de Deus. Ela também fazia maravilhas ao longe, mesmo sem intervenção de relíquias e de imagens, tendo sem cessar, feito prevalecer a força e o poder do Espírito Santo.

Trinta anos após sua morte, em 22 de setembro de 1909, foi aberto o caixão para reconhecer os despojos mortais. Seu corpo estava intacto, a tez estava branca. A 13 de abril de 1925, exumaram-na pela última vez, Bernadette, ainda intacta, parecia que estava adormecida. Cobriram sua face e suas mãos com cera e a colocaram sobre cetim, seda e rendas, na Capela, onde hoje encontra-se à veneração de todos, no Convento de Saint Gildard, em Nevers, na região do Loire, na França.

Na capela, que está no centro do espaço, encontramos o corpo incorrupto de Bernadette. Uma peculiaridade deve ser levada em consideração; a primeira imagem que temos ao adentrarmos a capela não é o corpo de Bernadette, mas sim a imagem de Jesus no crucifixo, e isso reflete a vontade de Bernadette de sempre se voltar a Jesus em primeiro lugar, assim como dizia em suas orações “Somente Jesus”. O corpo de Santa Bernadette encontra-se hoje em uma redoma de vidro e foi posto assim após três exumações que constataram a forma intacta do corpo, isso fez parte do processo de santificação, mas devemos nos ater ao fato de que Bernadette não foi tida como santa pelo estado de seu corpo, mas sim por toda sua vida que foi vivida segundo o evangelho. Devemos nos lembrar de que o corpo de Santa Bernadette é apenas um sinal de Deus para nos lembrar que Ele conserva quem se conserva no caminho dEle.

4 – A gruta em Nevers

Existe uma réplica da gruta de Massabielle em Nevers, no Espaço Bernadette, que foi feita logo depois da morte de Bernadette, já que muitos peregrinos passaram a visitar o espaço e pediam por uma réplica da gruta de Lourdes.

A gruta é um ponto de reflexão e oração. Diferencia-se do Santuário de Lourdes, pois enquanto em Lourdes há uma efusão de pessoas e movimentação, em Nerves podemos sentir a calma e apreciarmos o silêncio do lugar.

A gruta conta com uma pedra vinda de Lourdes para que a importância de Nossa Senhora seja sempre lembrada e reverenciada.

5 – Oração a Santa Bernadette

Senhor, que vos dignastes conceder à jovem Bernadete a graça de ver vossa mãe Santíssima e com ela conversar e orar, concedei também a mim uma maior devoção para com Maria Santíssima e a graça de boa saúde e disposição do corpo e da alma.

Santa Maria, rogai por nós!

Santa Bernadete Soubirous, rogai por nós!

Compartilhe!

Posts Relacionados

1 comentário

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.