Blog Sacratour

4003-6134 ou pelo whats app! [email protected]

Generic selectors
Apenas correspondências exatas
Pesquisar por Título
Pesquisar por Conteúdo
Pesquisar nas postagens
Pesquisar nas paginas
Menu
SacraTour

Turismo Religioso

Nossa Senhora de Lourdes

De Dentro Geral, Santuários Marianos Em 16/07/2020


Dia 16 de julho de 2020 o Santuário de Lourdes inovou na celebração da última aparição de Nossa Senhora de Lourdes na Gruta a Santa Bernadette com uma peregrinação virtual! O Santuário, habituado a receber peregrinos nesta época, não ficou sozinho.

Anualmente milhares de peregrinos juntam-se ao Santuário em busca de cura e renovação da fé. Mas afinal, o que atrai tanta gente ali? Para responder a esta questão, vamos contar um pouco da história desta aparição há quase dois séculos no alto dos Pirineus. E para compreendê-la, vamos precisar entender em que contexto isso aconteceu!

No dia 8 de dezembro de 1854, o Papa Pio XI proclamou solenemente no Vaticano o dogma da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, concebida sem pecado original. Algo que em 1830, Nossa Senhora já tinha mostrado a Santa Catarina Labouré, quando mandou que ela cunhasse a chamada “Medalha Milagrosa”, na aparição a ela na Rue du Bac, em Paris. Em torno da medalha, Santa Catarina viu em letras de ouro a expressão: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós”.

As aparições ocorreram em Lourdes, uma pequena cidade no sudoeste da França, nos montes Pirineus, pertencente à diocese de Tarbes; um dos santuários marianos mais frequentados à época. No local das aparições, passa o rio Gave; ao lado do rochedo Massabielle. Esta rocha forma uma reentrância oval, que é a chamada Gruta de Massabielle, onde Nossa Senhora apareceu 18 vezes ao longo do ano de 1858. A vidente, Bernardete Soubirous, de 14 anos tem origem em família humilde, falando apenas um dialeto local (não entendia francês) e sofrendo de asma.

Neste contexto, vamos às aparições!

As aparições de Nossa Senhora

1ª aparição – 11 de fevereiro: Na manhã dessa quinta-feira, as duas irmãs, Bernadette e Antonieta, e uma amiga, Joana Abadie, procuravam lenha junto à gruta de Massabielle, nas margens do rio Gave. Bernadette descalça-se para meter os pés na água e passar ao outro lado. Abaixo o relato da vidente:

“Vi numa cavidade do rochedo uma moita, uma só, que se agitava como se houvesse muito vento. Quase ao mesmo tempo saiu do interior da gruta uma nuvem dourada, e logo a seguir uma Senhora nova e bela, bela mais que todas as criaturas, como eu nunca tinha visto nenhuma. Veio pôr-se à entrada da concavidade, por cima do tufo de mato.

Logo olhou para mim, sorriu-me e fez-me sinal para que me aproximasse, como o faria minha mãe. Tinha-me passado o medo, mas parecia-me que não sabia onde estava. Esfreguei os olhos, fechei-os, tornei a abri-los; mas a Senhora estava lá sempre, continuando a sorrir e fazendo-me compreender que eu não estava enganada.

Sem saber o que fazia, tomei o terço e ajoelhei-me. A Senhora aprovou com um sinal de cabeça e passou para os seus dedos um rosário que trazia no braço direito. Quando quis começar a rezar e erguer a mão à testa, o meu braço ficou imóvel, como que paralisado. Só depois de a Senhora fazer o sinal da cruz é que eu o pude fazer também. A Senhora deixava-me rezar sozinha. Ela apenas passava as contas pelos dedos, sem falar. Só no fim de cada mistério dizia comigo: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.

Quando acabou a reza, a Senhora voltou a entrar do interior do rochedo e a nuvem de ouro desapareceu com Ela”.

E quem era esta senhora? A quem lhe perguntava, Bernadette fazia esta descrição:

“Tem as feições duma donzela de 16 ou 17 anos. Um vestido branco cingido com faixa azul até os pés. Traz na cabeça véu igualmente branco, que mal deixa ver os cabelos, caindo-lhe pelas costas. Vem descalça, mas as últimas dobras do vestido encobrem-lhe um pouco os pés. Na ponta de cada um sobressai uma rosa dourada. Do braço direito pende um rosário de contas brancas encadeadas em ouro, brilhante como as duas rosas dos pés”.

2ª aparição – 14 de fevereiro: Neste dia Bernadette já tinha contado sobre o que viu e, temendo que fosse alguma alma do outro mundo, como lhe tinham dito, chegou aspergindo água benta sobre a rocha.

“Fui à paróquia, pegar uma garrafinha de água benta para jogá-la na visão quando estivesse na gruta, se a visse. E saímos para a gruta. Ao chegarmos lá, cada uma tomou o seu terço e nos ajoelhamos para rezá-lo. Apenas tinha acabado de rezar a primeira dezena, quando vi a mesma Senhora. Então comecei a jogar água benta nela, dizendo que, se vinha da parte de Deus, que permanecesse; se não, que fosse embora; e me apressava sempre a jogar-lhe água.

Ela começou a sorrir, a inclinar-se. Mais água eu jogava, mais sorria e girava a cabeça, e mais a via fazer aqueles gestos. Eu então, tomada pelo temor, me apressava a aspergi-la mais, e assim o fiz até que a garrafa ficou vazia.”

Nestas duas primeiras aparições, Nossa Senhora nada disse, além de rezar sempre o Glória ao final de cada mistério do rosário. Interessante perceber que a Senhora não rezava a Ave Maria, afinal, ninguém intercede a si mesmo!

3ª aparição – 18 de fevereiro: “Ela só me falou na terceira vez. Foi na quinta-feira seguinte: Fui ali com algumas pessoas importantes, que me aconselharam a pegar papel e tinta e lhe pedisse que, se tinha algo a me dizer, que tivesse a bondade de colocá-lo por escrito. Tendo chegado lá, comecei a recitar o terço. Após ter rezado a primeira dezena, vi a mesma Dama. Transmiti esse pedido à Senhora. Ela se pôs a sorrir, e me disse que aquilo que tinha para me dizer, não era necessário escrevê-lo. Mas perguntou-me se eu queria conceder-lhe a graça de voltar ali durante quinze dias. Eu lhe respondi que sim”.

Bernadette disse que a Senhora aparecia tal qual Nossa Senhora na Medalha Milagrosa, mas sem os raios que saem das mãos.

4ª aparição – 19 de fevereiro: Enquanto a vidente rezava, uma multidão de vozes sinistras, que pareciam sair das cavernas da terra, cruzaram-se e entrechocaram-se, como os clamores duma multidão em desordem. Uma dessas vozes, que dominava as outras, gritava em tom estridente, raivoso, para a pequena Bernadette: “Foge! Foge daqui!” Nossa Senhora ergueu a cabeça, franziu ligeiramente a fronte e logo quem fugiu foram aquelas vozes.

Nesta ocasião Bernadette tinha um círio bento aceso. Este gesto, copiado em seguida pelos que assistiam às aparições, inspirou o costume atual de levar velas e acendê-las diante da gruta. Há bem em frente à Gruta um grande suporte para velas que está constantemente cheio e do outro lado do Rio Gave um velário, onde se depositam as velas ao final das procissões luminosas.

5ª aparição – 20 de fevereiro: Nossa Senhora ensinou pacientemente, palavra por palavra, uma oração só para Bernadette, que ela devia repetir todos os dias, o que ela fez, mas nunca revelou qual era a oração.

6ª aparição – 21 de fevereiro: Neste dia a notícia da aparição já havia se espalhado e em torno de 100 pessoas estavam na Gruta quando Bernadette chegou. “A Senhora desviou durante um instante de mim o seu olhar, que alongou por cima da minha cabeça. Quando voltou a fixá-lo em mim, perguntei-lhe o que é que a entristecia e Ela respondeu-me: Reza pelos pecadores, pelo mundo tão revolto. Disse-me também que não me prometia tornar-me feliz neste mundo, mas no outro.”

Ao final deste dia, preocupado com a multidão que seguia a menina, o delegado de polícia Dominique Jacomet interrogou Bernadette e a proibiu de ir até a Gruta e no dia seguinte colocou soldados para impedirem a aproximação das pessoas até o local. Aqui vale lembrar mais um pouco do contexto histórico. O país havia há poucos anos passado pela Revolução Francesa e as revoluções liberais. A proposta era acabar com o modelo de sociedade que separava uma elite de nascimento, os nobres de “sangue azul”, dos demais. À medida em que foram aparecendo os burgueses, aqueles comerciantes, banqueiros e trabalhadores que começaram a enriquecer, eles quiseram desbancar o modelo social e criaram uma nova ordem, que não acabou com as desigualdades, mas levou a uma confiança excessiva na capacidade humana e um desprezo pelos valores religiosos. E era nesse meio que a França vivia!

Assim, fica fácil compreender que os anticatólicos não suportavam a retomada do fervor do povo que acontecia à medida em que a notícia da aparição na Gruta de Massabielle se espalhava. No fim do dia 22 de fevereiro, a cidade estava em alvoroço e o prefeito achou melhor suspender a proibição.

7ª aparição – 23 de fevereiro: Cerca de 150 pessoas foram até a Gruta por volta das 6 horas. Foi o dia da revelação de três segredos a Bernadette: “Ela me deu três segredos e me proibiu de contar. Eles só se referem a mim, não são nem sobre a Igreja, nem sobre a França, nem sobre o Papa.”

8ª aparição – 24 de fevereiro: Bernadette foi do lugar em que estava até a gruta, de joelhos e beijando o chão. Contou depois às pessoas que a Senhora lhe dissera: “Penitência! Penitência! Penitência! Rezai a Deus pelos pecadores! Beijai a terra em penitência pela conversão dos pecadores!”

9ª aparição – 25 de fevereiro: Em fevereiro a França passa por um inverno rigoroso. E, neste dia, ao chegar na Gruta, Nossa Senhora pede à jovem “Vai beber à fonte e lavar-te nela.” Como não viu ali nenhuma fonte e logo atrás estava o Rio Gave, ela foi se dirigindo ao Rio. Neste momento a Senhora lhe apontou como dedo um lugar. “Para lá me dirigi. Vi apenas um pouco de lama. Meti a mão e não pude apanhar água. Escavei e saiu água mais suja. Tirei-a três vezes. À quarta já pude beber.”

Era a água milagrosa que tantos prodígios tem realizado. Nossa Senhora mandou-lhe ainda fazer esta penitência pelos pecadores: “Come daquela erva que ali está!”. Quando troçavam da pequena por tão estranha ordem, respondia: “Mas vocês também não comem salada!?”

A Senhora ainda pediu a Santa Bernadette que se lavasse com a água. Mas era tanta terra misturada que ao fazer isso, ela saiu com o rosto coberto de lama e acabou sendo zombada pela multidão que lá estava.

A fonte que Santa Bernadette encontrou embaixo da Gruta até hoje jorra água. A água está canalizada e é nesta água que as pessoas podem tomar banhos ou também beber da agua, repetindo os gestos da jovem. Podemos imaginar o tamanho do alvoroço que causou esta fonte. Assim, no dia seguinte ocorreu nova proibição de acesso à gruta deixando mais de 600 pessoas desapontadas.

10ª aparição – 27 de fevereiro: A Virgem Imaculada tornou a mandar beijar o chão em penitência pelos pecadores. Bernadette, por duas vezes, orientou as pessoas a repetirem seus gestos, no que foi atendida somente na segunda vez. Ainda hoje no Santuário os peregrinos repetem o gesto de beijar a rocha.

11ª aparição – 28 de fevereiro: Neste dia Bernadette repetiu o que fazia: ajoelhar, rezar o terço e beijar a torra. Apesar do forte frio que fazia, quase 1200 pessoas estavam presentes e repetiam com ela os gestos.

12ª aparição – 1º de março: Bernadette sempre usava o mesmo terço para sua oração. Neste dia a senhora Paulina Sans tinha lhe pedido que usasse um terço de sua propriedade e a jovem aceitou. Mas Nossa Senhora, como uma mãe detalhista, percebeu que não eram os mesmos e pediu que Bernadette voltasse a usar o de sempre. Esta foi a única vez em que esteve presente um sacerdote, que ignorava a proibição do clero de comparecer ao local. Na noite daquele dia aconteceu o primeiro milagre. Catherine Latapie, grávida de nove meses, tinha paralisados dois dedos da mão direita.

O mal lhe impedia de atender às necessidades do lar e dos filhos. Ela imergiu a mão na água e sentiu um grande bem-estar, movimentando os dedos naturalmente!

13ª aparição – 2 de março: A Virgem pede: “Vai dizer aos sacerdotes que tragam o povo aqui em procissão e que me construam uma capela.” Bernadette conta como cumpriu essa missão: “Fui procurar o Padre para lhe dizer que uma Dama me tinha ordenado de ir dizer aos padres para construir ali uma capela. Ele me olhou um momento, e logo me perguntou num tom incomodado quem era essa Dama. Eu lhe respondi que não sabia. Então ele me encarregou de perguntar a ela o nome, e de voltar para lhe contar.”

14ª aparição – 3 de março: A Senhora não aparece à hora habitual, mas sim ao entardecer e deu explicação. “Não me viste esta manhã porque havia pessoas que desejavam examinar o que fazias enquanto eu estava presente. Mas elas eram indignas. Tinham passado a noite na gruta, profanando-a.” Foi uma curta aparição, mas Bernadette cumpriu a ordem do pároco: “Eu lhe perguntei seu nome, por parte do Padre. Mas ela não fazia outra coisa senão sorrir. Voltando, fui à casa do senhor pároco para dizer-lhe que tinha cumprido a missão, mas que não tinha recebido outra resposta senão um sorriso. Então ele me disse que ela zombava de mim, e que eu faria bem de nunca mais voltar. Mas ele não podia me impedir de ir.” Fechando a questão, o Pe. Peyramale orientou: “Se a Senhora deseja realmente uma capela, que diga seu nome e faça florescer a roseira da Gruta” – o que, no inverno francês, equivalia a pedir um absurdo!

15ª aparição – 4 de março: No segundo mistério do primeiro terço, Bernadette começa a ver Nossa Senhora. Acabou esse terço e rezou outros dois, refletindo ora alegria, ora tristeza. O êxtase durou quase uma hora, sem que acontecesse algo excepcional. Durante esta quinzena, Nossa Senhora comunicou à menina três segredos e uma oração com esta ordem: “Proíbo-te de dizer isto, seja a quem for.” Era aguardado com grande expectativa porque era o último da quinzena de aparições. A polícia pediu reforço policial de d’Argelès e de Saint Pé, cidades vizinhas de Lourdes, para ajudar na manutenção da ordem, no sentido de evitar qualquer excesso. A estimativa era para mais de 8.000 pessoas ao redor da gruta. Para que Bernadette pudesse chegar ao local, fizeram uma passarela de madeira, que lhe facilitou o acesso. Ela veio acompanhada de sua prima Joana Véderè, que tinha 30 anos de idade, e ficaram juntas perante a Aparição. Ajoelharam e começaram a rezar o terço. Quando iniciavam a terceira Ave Maria da segunda dezena, entrou em êxtase. A multidão com o olhar acompanhava tudo e apreciava a beleza do Sinal da Cruz que ela fazia.

Terminada a Aparição, apagou a vela e, indiferente à presença de toda aquela gente, tomou o caminho de sua casa. Muitos ficaram desapontados e perplexos, porque esperavam algum milagre ou alguma revelação. Não aconteceu nada, visualmente. No ar ficaram muitas perguntas e uma grande expectativa: será que terminaram as Aparições?

Então, Bernadette foi encontrar-se com o Senhor Abade e dar-lhe notícias do “encontro”.

– Que te disse a Senhora?

– Perguntei-lhe o nome… Ela sorriu. Pedi-lhe para fazer florir a roseira, ela sorriu outra vez. Mas ainda quer a Capela.

– Tu tens dinheiro para fazer essa Capela?

– Não, Senhor Abade.

– Eu também não. Diz à Senhora que lhe dê.

Peyramale estava desconsolado por não ter obtido nenhuma informação segura sobre a Aparição. Ela também, mas sem poder fazer nada, voltou triste para casa.

Os dias seguiram-se e em 18 de março Bernadette é submetida a um severo interrogatório e declara “Não penso ter curado quem quer que seja e de resto não fiz nada para isso. Não sei se voltarei à gruta.”

As aparições pareciam ter acabado sem a Senhora dizer quem era. Mas a movimentação de pessoas ali era cada vez maior. Diariamente muitas pessoas iam para rezar, para recolher água da fonte ou para bebê-la. Todos acreditavam que quem esteve lá foi a Santíssima Virgem. As velas multiplicavam-se, no dia 18 eram 10; no dia 19 havia 21 velas; já no dia 23, colocaram no nicho das aparições, uma imagem de gesso da Virgem Maria, doada por um senhor, Felix Maransin.

Do dia 4 de março, quando ocorreu a última aparição, ou seja, a 15ª, até o dia 25 do mesmo mês, Bernadete procurava levar uma vida normal, ao lado de seus familiares no “cachot”. Mas foi impossível, porque era solicitada para interrogatórios, por visitantes que faziam filas intermináveis à porta de sua casa, querendo conversar, abraçá-la e pedir-lhe que tocasse com as mãos em objetos que levavam. Eram pessoas que buscavam graças e outras que vinham contar milagres alcançados pela bondade e o carinho intercessor de Nossa Senhora.

Vale lembrar que sua condição de saúde era bastante frágil. Mas ela não tinha mais sossego. Às vezes quase perdia a paciência: “Tragam-me todos ao mesmo tempo”. De outras vezes, cansada, precisando de repouso, queria isolar-se: “Fechem a porta à chave!”

Só que jamais aceitou e não deixou que nenhum de seus familiares aceitassem gratificações em dinheiro ou presentes, por qualquer razão que fosse: “Isso queima-me! Por favor, não façam isso!”

Quando lhe perguntavam se a Dama voltaria, simplesmente dizia que não sabia. Só podia afirmar que a Senhora queria sempre uma Capela e que os sacerdotes fossem em procissão à gruta.

16ª Aparição – 25 de março: Na manhã da festa da Anunciação a Revelação: “Eu sou a Imaculada Conceição”. Que dia lindo!

No despertar daquele dia 25 de março de 1858, Bernadete sentiu-se novamente pressionada para ir à gruta. Era uma força estranha que nascia em seu interior, que não sabia explicar. Mas era muito cedo e seus pais lhe aconselharam esperar o dia clarear. Às 5 horas da manhã já se pôs a caminho. Depois de rezar o terço em êxtase, levantou-se e caminhou em direção à Aparição e conversaram:

Mademoiselle, quer ter a bondade de me dizer quem és, se faz o favor?

A Dama sorriu, mas não respondeu. Ela insiste na solicitação, a segunda e a terceira vez, obtendo como respostas um sorriso carinhoso e modesto da Visão. Mas Bernadete tinha a necessidade de saber o nome da Senhora, precisava levar esta notícia ao Abade, porque caso contrário ele não construiria a Capela. Por isso, com mais amor e decisão, insistiu uma quarta vez suplicando que ela dissesse o seu nome. Desta vez a Aparição não sorriu mais, ficou séria.

As mãos que estavam unidas afastaram-se estendendo sobre a terra e depois novamente juntas à altura do peito, levantou os olhos ao Céu em sinal de profunda humildade e obediência a Deus e, em francês, disse:

– EU SOU A IMACULADA CONCEIÇÃO!

Dito isto, desapareceu.

Bernadete retornou a si e para não se esquecer das palavras, repetiu-as várias vezes em seguida, tropeçando nas letras que mal sabia pronunciar, já que só conhecia seu dialeto. Fugiu das perguntas de todos e correu para a casa do Abade, o Padre Peyramale. Lá chegando, antes mesmo de cumprimentá-lo gritou: “’Eu sou a Imaculada Conceição.”

O Abade ficou perplexo. Não sabia se sorria ou ocultava o seu júbilo, procurando num último esforço, certificar-se do óbvio:

– Pequena orgulhosa, tu és a Imaculada Conceição?

– ‘Não, não, não eu’.

Padre Peyramale sente que está diante de uma grande revelação: ‘A Virgem é concebida sem pecado’. Apesar de ter sido decretado em 8 de dezembro de 1854, o Dogma da Imaculada Conceição de Maria não era aceito por todos os católicos, principalmente por alguns teólogos que defendiam a universalidade da redenção e do Pecado Original. Isto é, atribuíam a Nossa Senhora o mesmo privilégio que teve João Batista, de ter a santificação antes do nascimento. Mas não aceitavam a imunidade do Pecado, não aceitavam que Maria Santíssima fosse preservada do Pecado Original, mesmo considerando a sua condição especial de Mãe do Redentor.

Por este motivo, o Abade explodia intimamente de satisfação e se preocupava em saber da realidade. Pela santíssima vontade de Deus, a partir daquele momento Nossa Senhora deixava realçar com todo brilho, a sua grandeza notável e ilimitada, porque ela própria confirmava que teve uma Conceição Imaculada. Por isso Peyramale se debatia:

– Uma Senhora não pode usar esse nome! Tu sabes o que isso quer dizer?

Bernadette diz que não, abanando a cabeça.

– Então como podes dizê-lo, se não compreendes o que é?

– Repeti todo o caminho.

No silêncio que se seguiu, Padre Peyramale ficou pensativo com um suave sorriso nos lábios. Bernadete interrompe o silêncio e diz: “Ela quer a Capela!”

O Abade no íntimo deve ter respondido que não só uma Capela, mas uma monumental Basílica. A partir daquele momento, a dama estava dispensada de fazer qualquer milagre, de fazer florir a roseira selvagem da gruta. Era Ela, a Mãe de Deus, a Nossa Querida Mãe que veio nos visitar com o objetivo de revelar um grande mistério divino e pedir penitência ao mundo, para que todos rezassem pela conversão dos pecadores e tivessem uma conduta responsável e digna. Padre Peyramale estava emocionado. Tentava esconder sua alegria e por isso, para salvar as aparências, falou com ela: “Vai para casa, falaremos outro dia.”

Os dias passaram e o clero, com muita alegria e vibração, comemorou a revelação do grande mistério.

Dia 6 de abril, Bernadete sentiu-se novamente ‘pressionada’ para voltar à gruta. Aquela força estranha e agradável a impulsionava para Massabieille. Como já havia passado das 15 horas, foi encontrar-se com o Padre Pomian no confessionário. Algumas pessoas que a observavam se incumbiram de espalhar os boatos. A cidade ficou na expectativa de algum acontecimento.

17ª Aparição – 7 de abril: Nossa Senhora nada disse, mas verificou-se nesta aparição o chamado milagre da vela. Era quarta-feira da Páscoa, antes do sol nascer já se encontrava na gruta, acompanhada inicialmente por uma centena de pessoas que logo aumentou para 1.000, quando iniciou a oração do terço.

Nas primeiras Ave-Marias da primeira dezena, entrou em êxtase. O Doutor Dozous, que vinha estudando o seu caso, surge no meio da multidão pedindo passagem, pois queria estar ao lado dela, para presenciar suas reações fisionômicas. E abrindo passagem entre o povo que contritamente rezava dizia: “Não venho como inimigo, mas em nome da ciência. Corri e não posso me expor às correntes de ar. Só eu posso verificar o fato religioso que aqui se dá, deixem-me prosseguir este estudo.”

Neste dia, ela utilizava uma grande vela que se apoiava no chão. Foi fornecida por uma pessoa que tinha alcançado uma graça. Com sua mão, tentava proteger a chama da vela da corrente de ar. Mas no transe em que se encontrava, não posicionou corretamente a mão esquerda em forma de concha sobre o pavio aceso, de modo que a chama da vela passava por entre os seus dedos.

– Ela está se queimando – gritaram da multidão.

– Deixe estar – pediu Dr.Dozous.

Ele não acreditava naquilo que seus olhos viam, os sorrisos de Bernadete, os Sinais da Cruz feitos com tanta graça, sua fisionomia séria em vários momentos compartilhando duma tristeza da Visão e a chama da vela que passava por entre seus dedos, sem queimá-los, sem provocar dores.

Terminado o êxtase, examinou as mãos da vidente e não encontrou o menor sinal de queimadura. Para testar a sua sensibilidade, acendeu a vela e sem que ela percebesse, aproximou a chama de sua mão. Ela gritou e protestou: ‘Está querendo me queimar’? Dr.Dozous, homem de atitudes extremas, viu crescer repentinamente em seu coração uma fé gigantesca. Da mesma forma que seu caráter explosivo o levava muitas vezes a defender suas convicções abertamente e com decisão, espalhou a novidade com disposição, convencido de que estava diante do sobrenatural na gruta de Massabieille.

No ‘Café Francês’, que era o ponto de convergência para os ‘bate-papos’ e também para os ‘mexericos’, Dozous proclamou com segurança e fartos argumentos, a existência do extraordinário em Lourdes. Em dado momento, ele assim expressou-se: “É um fato sobrenatural para mim, ver Bernadete ajoelhada diante da gruta, em êxtase, segurando uma vela acesa e cobrindo a chama com a mão esquerda, sem que pareça sentir a mínima impressão do contato com o fogo. Examinei-a. Não encontrei nem o mais ligeiro sinal de queimadura.”

Mas continuava a existir também os descrentes, aqueles que não aceitavam os fatos e caçoavam dos frequentadores da gruta. Eles atuaram sobre os administradores pedindo providências contra ‘aquilo’ que chamavam de ‘palhaçada’. O Prefeito resolveu proibir o acesso à gruta. Mandou retirar todos os objetos religiosos que tinham sido colocados lá.

Os pais e amigos de Bernadete, a fim de evitar complicações, a enviaram para Cauterets, para tratar de sua asma. Contudo, a sua ausência em nada influiu no fervor das pessoas, que se manifestavam claramente e todos os dias. Eram organizados cânticos, procissões e orações com a maior participação possível. Por outro lado, alguns procuravam dotar a gruta de certo conforto, colocando na fonte de água uma bacia com três torneiras, para facilitar a utilização. Pedreiros, carpinteiros e funileiros trabalhavam gratuitamente e com desprendimento, melhorando o acesso, colocando uma tábua furada para receber as velas, empregando os seus esforços com o objetivo de tornar a gruta um recanto aprazível de devoção mariana.

As autoridades, vendo que não conseguiam nem acabar e nem diminuir a frequência das visitas à gruta, decidem fechá-la. No dia 15 de junho, o Prefeito mandou fazer uma barreira constituída por uma cerca de madeira, que isolava a área da gruta.

O povo, no dia 17, destruiu a cerca. As barreiras são reconstruídas no dia 18 e demolidas pelo povo na noite do dia 27. Tornam a ser reconstruídas no dia 28 de junho, para novamente serem demolidas na noite do dia 4 de julho.

No dia 8 de julho, a Igreja intervém oficialmente, pela primeira vez, pedindo tranquilidade ao povo o respeito às autoridades.

No dia 10, foram levantadas as barricadas novamente. Bernadete mantinha-se distante e indiferente a toda esta movimentação. Nas oportunidades que surgiam, recomendava obediência e desaconselhava que arrebentassem a cerca na gruta.

18ª Aparição – 16 de julho: Como é festa de Nossa Senhora do Carmo, a Vidente assiste à missa e comunga na Igreja. Ao entardecer, sente que Deus a chama para a gruta, como das vezes anteriores, e lá chegou por um caminho que ninguém suspeitou. Foi em companhia de sua tia Lucilia, camuflada com um capuz emprestado; mas não pôde aproximar-se devido à cerca, e aos soldados que, por ordem do governo, cercam o recinto.

Junto à cerca de tábuas que isolava a gruta, encontrava-se um grupo de pessoas, que de joelhos e silenciosamente rezavam. Ela ajoelhou e acendeu sua vela. Duas congregadas marianas que a reconheceram, juntaram-se a ela e à sua tia, em silêncio. Apenas começara o terço, as suas mãos afastaram-se comovidas, numa saudação de alegria e surpresa. Nossa Senhora estava lá. A sua face iluminou-se e suas feições adquiriram uma indescritível formosura.

A menina contempla a Senhora, de além do rio e da cerca.

Terminada a oração do terço, pelo seu rosto podia-se ver estampada a felicidade que brotava de seu íntimo, a alegria de mais uma vez ter-se encontrado com a MÃE de DEUS. Ela não comentou nada. No caminho de regresso, apenas disse: “Não via o rio, nem as tábuas – explicará ela mais tarde. Parecia-me que entre mim e a Senhora não havia mais distância que das outras vezes. Só via a Ela. Nunca a vi tão bela!”

Foi como um adeus da Senhora ali em Lourdes. Aconteceu como se fosse uma visita de despedida, Nossa Senhora sempre bondosa, cheia de carinho e atenção, desceu à terra mais esta vez, para despedir-se de Bernadette.

Qual a mensagem de Nossa Senhora em Lourdes?

De acordo com Laurentin, grande teólogo das aparições de Lourdes, “O elemento principal é a manifestação de Maria na sua Imaculada Conceição. O resto é em função deste primeiro elemento e pode também resumir-se numa palavra: ‘em contraste com a Virgem sem mancha, o pecado…’ Mas, inimiga do pecado, Ela é também amiga dos pecadores, não enquanto estão ligados às suas faltas ou se gloriam delas, mas enquanto se veem esmagados pelo sofrimentos físicos e morais, consequência do pecado. Reduzida à sua expressão mais simples, poderíamos sintetizar desta forma a mensagem de Lourdes: A Virgem sem pecado, que vem socorrer os pecadores. E para isso propõe três meios: “A Fonte De Águas Vivas, Oração, A Penitência!”

Mas afinal, o que atrai tanta gente em Lourdes?

Bom, acredito que se você chegou até aqui, pode perceber ao longo das aparições como Nossa Senhora foi deixando sua marca em Lourdes. A aparição sempre em um nicho na gruta, aquele mesmo local onde está hoje a imagem, faz o peregrino ao chegar lá sentir-se mesmo na presença de Maria. Na visita ainda se pode ver a fonte de águas limpas, que leva milhares de pessoas em busca de cura, como se a água fosse o aconchego de Mãe. O convite ao beijo na rocha, uma expressão de humildade e devoção que se repete ainda hoje nas visitas. A oração do terço constante diante da Gruta de Massabielle, lembra a oração de Santa Bernadette junto à Nossa Senhora. São tantos gestos, símbolos e sinais que podemos encontrar em Lourdes que fazem dessa aparição um perfeito encontro com a Mãe, aquela que corrige, orienta, mas também entende e acolhe. Como não se sentir convidado para também estar nessa presença?

Oração à Nossa Senhora de Lourdes

Ó Virgem puríssima, Nossa Senhora de Lourdes, que vos dignastes aparecer a Bernadette, no lugar solitário de uma gruta, para nos lembrar que é no sossego e recolhimento que Deus nos fala e nós falamos com Ele, ajudai-nos a encontrar o sossego e a paz da alma que nos ajude a conservar-nos sempre unidos em Deus. Nossa Senhora da gruta, dai-me a graça que vos peço e tanto preciso (pedir a graça). Nossa Senhora de Lourdes, rogai por nós. Amém!

Agora que já conhece a história desta aparição, convidamos você a percorrer conosco os caminhos de Lourdes e poder sentir também a graça de estar neste lugar! Clique aqui:

 

Compartilhe!

Posts Relacionados

1 comentário

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.